sexta-feira, 31 de agosto de 2012

O que acontece no Batismo?




200 - No Batismo, tornamo-nos membros do "Corpo de Cristo", irmãos e irmãs do nosso Redentor e filhos de Deus. Somos libertados do pecado, arrebatados da morte e destinados a uma vida na alegria dos redimidos. [1262-1274, 1279-1280]



Se batizado significa: a minha história de vida pessoal mergulha na corrente do amor de Deus. "A nossa vida", diz o Papa Bento XVI, "pertence a Cristo, não a nós mesmos. [...] Acompanhados por Ele aliás, acolhidos por Ele no Seu amor, libertamo-nos do medo. Ele envolve-nos e leva-nos aonde quer que formos - Ele que é a própria Vida".

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Catequese do Papa Bento XVI sobre São João Batista


Queridos irmãos e irmãs,

Na última quarta-feira de agosto recordamos a memória litúrgica do martírio de São João Batista, o precursor de Jesus. No calendário romano, ele é o único santo que comemoramos tanto o nascimento, 24 de junho, quanto a morte, ocorrida por meio do martírio. Recordamos hoje a memória voltada à dedicação de uma cripta de Sebaste na Samaria onde, em meados do século IV, já se venerava sua cabeça. O culto se espalhou por Jerusalém, nas Igrejas do Oriente e em Roma, com o título: Decapitação de São João Batista. O Martirológio Romano faz referência a uma segunda descoberta da relíquia preciosa, transportada, para a ocasião, à Igreja de S. Silvestre em Campo Marzio, em Roma.

Essas pequenas referências históricas nos ajudam a entender quão antiga e profunda é a veneração de João Batista. Os Evangelhos destacam muito bem o seu papel em relação a Jesus. Em particular, São Lucas narra seu nascimento, a vida no deserto, a pregação e São Marcos narra sua morte trágica no Evangelho de hoje. João Batista inicia sua pregação sob o imperador Tibério, no ano 27-28, e o convite dirigido às pessoas que se reuniam para ouvi-lo é o de preparar o caminho para acolher o Senhor, para endireitar as veredas tortuosas da própria vida através de uma conversão radical de coração (cf. Lc 3, 4). Mas João Batista não se limita a pregar o arrependimento, mas a reconhecer Jesus como o "Cordeiro de Deus" que veio tirar o pecado do mundo (Jo 1,29). Tem em si a profunda humildade de mostrar Jesus como o verdadeiro Mensageiro de Deus, colocando-se à parte para que Cristo possa crescer, ser escutado e seguido. Como último ato, João Batista testemunha com o sangue sua fidelidade aos mandamentos de Deus, sem hesitar ou retroceder, cumprindo até o final sua missão. São Beda, monge do século IX, diz de João Batista em sua  homilia: Para [Cristo] deu a sua vida, ainda que não tenha sido obrigado a negar Jesus Cristo, foi condenado apenas para calar a verdade (cf. Om 23..: CCL 122, 354). Mas calou a verdade, morreu por Cristo, que é a Verdade. Exatamente por amor à verdade, não cedeu a seus valores e não teve medo de dirigir palavras fortes àqueles que tinham se perdido no caminho de Deus.

Nós vemos esta grande figura, esta força na morte, na resistência contra os poderosos. Nos perguntamos: de onde nasce esta vida, esta interioridade tão forte, tão reta, coerente, gasta tão completamente por Deus a preparar o caminho para Jesus? A resposta é simples: da relação com Deus, da oração, que é o fio condutor de toda sua existência. João é o dom divino por muito tempo pedido por seus pais, Zacarias e Isabel (cf. Lc 1,13), um grande presente, humanamente inesperável, porque ambos eram avançados em idade e Isabel era estéril (cf. Lc 1,7), mas nada é impossível para Deus (cf. Lucas 1:36). O anúncio do nascimento ocorre exatamente num lugar de oração, o templo de Jerusalém, quando toca a Zacarias o grande privilégio de entrar no lugar mais sagrado do templo para fazer a oferta do incenso ao Senhor (cf. Lc 1, 8-20). O nascimento de João Batista também foi marcado pela oração: o cântico de alegria, de louvor e de gratidão que Zacarias eleva ao Senhor e que recitamos todas as manhãs nas Laudes, o "Benedictus", exalta a ação de Deus na história e indica profeticamente a missão de seu filho João, preceder o Filho de Deus feito carne, a fim de preparar seu caminho (cf. Lc 1,67-79). Toda a existência do Precursor de Jesus é alimentada por um relacionamento com Deus, especialmente o tempo vivido no deserto (cf. Lc 1,80) regiões desérticas que são locais de tentação, mas também lugar onde o homem sente a própria pobreza por estar privado de recursos e seguranças materiais e então compreende que o único ponto de referência seguro é o próprio Deus. Mas João Batista não é apenas um homem de oração, de contato constante com Deus, mas também um guia para este relacionamento. O evangelista Lucas, recordando a oração que Jesus ensinou aos seus discípulos, o "Pai Nosso", observa que o pedido é feito pelos discípulos com estas palavras: "Senhor, ensina-nos a orar, como João ensinou os seus discípulos" (cf. Lc 11, 1).

Queridos irmãos e irmãs, celebrar o martírio de São João Batista lembra também a nós, cristãos do nosso tempo, que não podemos nos esquivar do compromisso com o amor de Cristo, sua Palavra, a Verdade. Verdade é verdade, não pode ser negociada. A vida cristã exige, por assim dizer, o "martírio" da fidelidade diária ao Evangelho, que é a coragem de deixar que Cristo cresça em nós, direcione o nosso pensamento e nossas ações. Mas isso só pode acontecer em nossas vidas se for sólido o nosso relacionamento com Deus. Oração não é tempo perdido, não é tirar o tempo das nossas atividades, incluindo as apostólicas, é exatamente o contrário: só se formos capazes de ter uma fiel vida de oração, constante, confiante, será o próprio Deus a nos dar força e capacidade para viver de modo feliz e sereno, superar as dificuldades e testemunhá-Lo com coragem. São João Batista interceda por nós, para que possamos manter sempre a primazia de Deus em nossa vida. Obrigado.

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Santa Missa em nossa casa!

Hoje é dia de Terça Especial! Dia de Adoração seguida de Santa Missa em nossa casa! Hoje celebraremos em Ação de Graças por um ano em nossa nova sede! Esperamos por você a partir das 20h! 


segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Música da Semana!


"Então, Jesus disse aos doze: “Vós também vos quereis ir embora?” Simão Pedro respondeu: “A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. Nós cremos firmemente e reconhecemos que tu és o Santo de Deus”. Jo 6, 67-69

Bom dia! Nesta semana desejamos que reconheça a Santidade de Deus e sua necessidade Dele!
Deixe que o Senhor te seduza e te conquiste, para que a tua resposta seja semelhante a de Pedro: a quem iremos, Senhor?
E seduzido pelo Senhor, você O leve aonde quer que você vá, O testemunhe em todos os momentos e deixe sempre que Ele te vença, que seja Rei em sua vida!
Que Maria, aquela que foi completamente seduzida pelo Senhor, seja tua mestra nesta semana!
A paz!


sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Por que motivo a Igreja é mais do que uma instituição?



124 - A Igreja é mais do que uma instituição porque ela é um Mistério ao mesmo tempo humano e divino. [770-773, 779].

O verdadeiro amor não cega, mas faz ver. Com a Igreja passa-se o mesmo: vista de fora, ela é uma mera instituição ou organização, com feitos históricos, mas também com erros e crimes - uma Igreja de pecadores. Isso, porém, é uma apreciação superficial, porque Cristo deu-Se de tal forma a nós, pecadores, que Ele nunca abandona a Igreja, mesmo que O traíssemos diariamente. A inquebrável ligação entre o humano e o divino, o pecado e a graça, é o mistério da Igreja. Vista com os olhos da fé, a Igreja é indestrutivelmente santa.

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Catequese do Papa Bento XVI sobre a solenidade de Nossa Senhora Rainha


Queridos irmãos e irmãs,

Hoje celebramos a festa da Santíssima Virgem Maria, invocada com o título: "Rainha". É uma  festa criada recentemente, mas antiga na origem e na devoção. Foi estabelecida pelo Venerável Pio XII, em 1954, no final do Ano Mariano, para o dia 31 de maio (cf. Carta Apostólica Ad caeli Reginam, 11 octobris 1954: AAS 46 [1954], 625-640). Nesta ocasião, o Papa disse que a Maria é rainha mais  que qualquer outra criatura pela elevação de sua alma e a excelência dos dons recebidos. Ela nunca deixa de conceder os tesouros de seu amor e seu cuidado para a humanidade (cf. Discurso em honra de Maria Rainha, 1º de novembro de 1954). Mas após a reforma pós-conciliar do calendário litúrgico foi estipulada para oito dias após a Solenidade da Assunção para enfatizar a estreita relação entre a realeza de Maria e sua glorificação em alma e corpo junto ao seu Filho. Na Constituição sobre a Igreja do Concílio Vaticano II lemos assim: "Maria foi assunta à glória celeste e exaltada por Deus como Rainha do universo, para que fosse plenamente conformada a seu Filho" (Lumen gentium, 59).

E esta é a origem da festa de hoje: Maria é rainha porque é associada de forma única a seu Filho, tanto na vida terrena, como na glória do céu. O grande santo da Síria, Efrém da Síria, afirma, sobre a realeza de Maria, que ela vem de sua maternidade: Ela é a Mãe do Senhor, o Rei dos reis (cf. Is 9,1-6) e nos mostra Jesus como vida, salvação e nossa esperança. O Servo de Deus Paulo VI recordou na Exortação Apostólica Marialis Cultus: "Na Virgem Maria tudo é relativo a Cristo e tudo depende dele: em vista Dele, o Pai, desde toda a eternidade, a escolheu Mãe, toda santa, e a adornou dos dons do Espírito, concedidos a mais ninguém"(n. 25).

Mas agora nos perguntamos: o que significa Maria Rainha? É apenas um título como os outros, a coroa, um ornamento como os outros? O que quer dizer? O que significa esta realeza? Como já indicado, é uma conseqüência do seu ser unido ao Filho, do seu ser no céu, que está em comunhão com Deus. Ela participa da responsabilidade de Deus para com o mundo e do amor de Deus pelo mundo. Há uma idéia comum, de rei ou rainha: seria uma pessoa com poder e riqueza. Mas este não é o tipo de realeza de Jesus e Maria. Pensemos no Senhor: a realeza, a condição de rei de Cristo é revestida de humildade, serviço, amor: é, acima de tudo, servir, ajudar, amar. Lembremo-nos de que Jesus foi proclamado rei na cruz com a inscrição escrita por Pilatos: "Rei dos Judeus" (cf. Mc. 15,26). Naquele momento na cruz se prova que Ele é rei. E como é rei? Sofrendo conosco, por nós, amando até o fim e assim governa e inaugura o amor, a verdade e a justiça. Ou pensemos também em outro momento: na Última Ceia inclina-se para lavar os pés dos seus. A realeza de Jesus não tem nada a ver com a dos poderosos da terra. É um rei que serve os seus servos, assim agiu em toda sua vida. E o mesmo vale para Maria: é Rainha no serviço a Deus para a humanidade, é rainha do amor, que vive o dom de si a Deus para entrar no plano de salvação do homem. Ao anjo responde: Eis aqui a serva do Senhor (cf. Lc. 1,38) e canta no Magnificat: Deus olhou para a humildade de sua serva (cf. Lc. 1,48). Ela nos ajuda. É rainha amando-nos, ajudando-nos em todas as nossas necessidades, é a nossa irmã, serva humilde.

E assim chegamos ao ponto: como Maria exerceu a realeza de serviço e amor? Cuidando de nós, seus filhos, os filhos que se voltam a ela em oração, para agradecer ou para pedir sua proteção maternal e ajuda celeste, talvez depois de terem se perdido no caminho, oprimidos pela dor ou angústia, pelas tristes e incômodas vicissitudes da vida. Na serenidade ou na escuridão da existência, voltamo-nos a Maria, confiando em sua contínua intercessão, para que do Filho possamos obter toda a graça e misericórdia necessária para a nossa peregrinação ao longo da estrada do mundo. A Ele, que governa o mundo e detém os destinos do universo, nós nos voltamos confiantes, através da Virgem Maria. Ela, pelos séculos, é invocada como uma rainha celeste do Céu; oito vezes, depois da oração do Santo Rosário é invocada na ladainha lauretana como a Rainha dos Anjos, dos patriarcas, profetas, apóstolos, mártires, confessores, virgens, todos os Santos e todas as famílias. O ritmo dessas invocações antigas e orações diárias como a Salve Rainha, ajuda-nos a compreender que a Virgem Santíssima, nossa Mãe junto a seu Filho Jesus na glória do céu, está sempre conosco, no desenrolar cotidiano da nossa vida.

O título de rainha é, então, título de confiança, de alegria, de amor. E sabemos que aquela que tem nas mãos o destino do mundo é boa, nos ama e nos ajuda em nossas dificuldades.

Queridos amigos, a devoção a Nossa Senhora é um elemento importante da vida espiritual. Em nossa oração, não deixemos de recorrer confiantes a ela. Maria não deixará de interceder por nós junto a seu Filho. Olhando para ela, imitemos a fé, a disponibilidade plena no projeto de amor de Deus, o generoso acolhimento de Jesus. Aprendamos a viver como Maria. Maria é a Rainha do céu perto de Deus, mas é também a mãe perto de cada um de nós, que nos ama e ouve a nossa voz. Obrigado pela atenção.

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Música da Semana!


"O seu nome é santo, e sua misericórdia se estende, de geração em geração, a todos os que o respeitam" Lc 1, 49-50.


Bom dia!
Nesta semana, desejamos que, como Maria, você também cante sua gratidão ao Senhor!
Que ela te ensine a entoar um cântico de confiança e de adoração e que assim você sinta a presença de Deus em seus dias nesta semana, para que reconheça que Ele é Santo e que é Dele que vem a força para buscar a santidade! 
Desejamos que o dom da adoração presente em você seja renovado e que com suas atitudes você viva o céu aqui na terra!
Que Maria, aquela que teve em tudo o seu olhar voltado para o céu, seja tua mestra nesta semana e te ensine a ver a vida com um novo olhar!
A paz!

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Homilia do Papa Bento XVI sobre a festa da Assunção de Maria


Queridos irmãos e irmãs,

Em 1º de novembro de 1950, o Venerável Papa Pio XII proclamava como dogma que a Virgem Maria “terminado o curso da vida terrena, foi assunta à glória celeste em alma e corpo”. Esta verdade de fé era conhecida pela Tradição, afirmada pelos Padres da Igreja, e era, sobretudo, um aspecto relevante do culto rendido à Mãe de Cristo. O elemento cultual constitui, por assim dizer, a força motora que determinou a formulação deste dogma: o dogma parece um ato de louvor e de exaltação em relação à Virgem Santa. Este emerge também do próprio texto da Constituição apostólica, onde se afirma que o dogma é proclamado “em honra ao Filho, para a glorificação da Mãe e a alegria de toda a Igreja”. É expresso assim na forma dogmática algo que já foi celebrado no culto da devoção do Povo de Deus como a mais alta e estável glorificação de Maria: o ato de proclamação da Assunta se apresentou quase como uma liturgia da fé. E no Evangelho que escutamos agora, Maria mesma pronuncia profeticamente algumas palavras que orientam nesta perspectiva. Diz: “Todas as gerações, de agora em diante, me chamarão feliz” (Lc 1,48). é uma profecia para toda a história da Igreja. Esta expressão do Magnificat, referida por São Lucas, indica que o louvor à Virgem Santa, Mãe de Deus, intimamente unida a Cristo, seu filho, diz respeito à Igreja de todos os tempos e de todos os lugares. E a anotação destas palavras da parte do Evangelista pressupõe que a glorificação de Maria estivesse já presente no período de São Lucas e ele a considerou um dever e um compromisso da comunidade cristã para todas as gerações. As palavras de Maria indicam que é um dever da Igreja recordar a grandeza de Nossa Senhora para a fé. Esta solenidade é um convite, portanto, a louvar Deus, e a olhar para a grandeza de Nossa Senhora, para que conheçamos Deus na face dos seus.

Mas, por que Maria é glorificada na assunção ao Céu? São Lucas, como ouvimos, vê a raiz da exaltação e do louvor à Maria na expressão de Isabel: “Feliz aquela que acreditou” (Lc 1, 45). E o Magnificat, este canto ao Deus vivo e operante na história é um hino de fé e de amor, que brota do coração da Virgem. Ela viveu com fidelidade exemplar e guardou no mais íntimo do seu coração as palavras de Deus ao seu povo, as promessas feitas a Abraão, Isaac e Jacó, fazendo do seu conteúdo sua oração: a Palavra de Deus estava no Magnificat transformada em Palavra de Deus, lâmpada do seu caminho, até torná-la disponível a acolher também em seu ventre o Verbo de Deus feito carne. A atual página evangélica apresenta esta presença de Deus na história e no próprio desenvolver-se dos eventos; especialmente, há uma referência ao Segundo livro de Samuel no capítulo sexto (6, 1-15), no qual Davi transporta a Arca Santa da Aliança. O paralelo que faz o Evangelista é claro: Maria à espera do nascimento do Filho Jesus e a Arca Santa que porta em si a presença de Deus, uma presença que é fonte de consolação, de alegria plena. João, de fato, dança no ventre de Isabel, exatamente como Davi dançava diante da Arca. Maria é a “visita” de Deus que cria alegria. Zacarias, em seu canto de louvor, dirá explicitamente: “Bendito seja o Senhor, Deus de Israel, porque visitou e libertou o seu povo” (Lc 1,68). A casa de Zacarias experimentou a visita de Deus com o nascimento inesperado de João Batista, mas, sobretudo, com a presença de Maria, que porta em seu ventre o Filho de Deus.

Mas agora nos perguntamos: o que a Assunção de Maria ensina ao nosso caminho, à nossa vida? A primeira resposta é: na Assunção vemos que em Deus há espaço para o homem, Deus mesmo é a casa com muitas moradas da qual fala Jesus (Jo 14, 2). O próprio Deus é a casa do homem, em Deus há espaço de Deus. E Maria, unindo-se a Deus, não se distancia de nós, não vai para uma galáxia desconhecida, mas quem vai a Deus se aproxima, porque Deus está perto de todos nós, e Maria, unida a Deus, participa da presença de Deus, está muito perto de nós, cada um de nós. Há uma bela palavra de São Gregório Magno sobre São Bento que podemos aplicar ainda também a Maria: São Gregório Magno diz que o coração de São Bento tornou-se grande que toda a criação podia entrar neste coração. Isso vale ainda mais para Maria: Maria, unidade totalmente a Deus, tem um coração tão grande que toda a criação pode entrar neste coração, e os testemunhos em todas as partes da terra o demonstram. Maria está perto, pode escutar, pode ajudar, está perto de todos nós. Em Deus, há espaço para o homem, e Deus está perto, e Maria, unida a Deus, está muito perto, tem um coração alargado como o coração de Deus.

Mas tem também outro aspecto: não só em Deus há espaço para o homem; no homem há espaço para Deus. Também vemos isso em Maria, a Arca Santa que porta a presença de Deus. Em nós, há espaço para Deus e nesta presença de Deus em nós, tão importante para iluminar o mundo na sua tristeza, em seus problemas, esta presença se realiza na fé: na fé abrimos as portas do nosso ser para que Deus entre em nós, para que Deus possa ser a força que dá vida e caminho ao nosso ser. Em nós, há espaço, vamos nos abrir como Maria se abriu, dizendo: “Seja realizada a Tua vontade, eu sou serva do Senhor”. Abrindo a Deus, não perdemos nada. Ao contrário: nossa vida torna-se rica e grande.

E assim, fé, esperança e amor se combinam. Existem hoje muitas palavras sobre um mundo melhor a esperar: seria a nossa esperança. Se e quando este mundo melhor vem, não sabemos, não sei. Certo é que um mundo que se afasta de Deus não se torna melhor, mas pior. Só a presença de Deus pode garantir também um mundo bom. Mas deixemos isso. Uma coisa, uma esperança é certa: Deus nos espera, nos aguarda, não caminhamos no vazio, somos esperados. Deus nos espera e encontramos, indo ao outro mundo, a bondade da Mãe, encontramos os nossos, encontramos o Amor eterno. Deus nos espera: esta é a grande alegria e a grande esperança que nasce exatamente desta festa. Maria nos visita, é a alegria da nossa vida e é a esperança da alegria.

O que dizer, portanto? Coração grande, presença de Deus no mundo, espaço de Deus em nós e espaço de Deus para nós, esperança, ser esperados: esta é a sinfonia desta festa, a indicação que a meditação desta Solenidade nos dá. Maria é aurora e esplendor da Igreja triunfante; ela é a consolação e a esperança para o povo ainda em caminho, diz o Prefácio de hoje. Vamos nos confiar à sua materna intercessão, para que o Senhor nos ajude a reforçar nossa fé na vida eterna; nos ajude a viver bem o tempo que Deus nos oferece com esperança. Uma esperança cristã, que não é somente nostalgia do Céu, mas vivo e operoso desejo de Deus aqui no mundo, desejo de Deus que nos torna peregrinos incansáveis, alimentando em nós a coragem e a força da fé que, ao mesmo tempo, é coragem e força no amor. Amém.

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Música da Semana!

Bom dia!
Nessa Semana Nacional da Família desejamos que o Senhor restaure a sua casa!
A começar por você, que o Senhor, através do Espírito Santo, alcance você e os seus para que sejam transformados!
Não espere a mudança do outro! Saiba que o Senhor quer começar a obra de restauração através de você!
Sua entrega e desejo de fazer a vontade Dele é capaz de transformar a sua família!
Que Nossa Senhora e São José sejam teus intercessores nesta semana!
A paz!

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Santa Mamãe, rogai por nós!


- Diante da recente canonização de Gianna Beretta, algumas pessoas me abordaram perguntando como os quatro filhos de Santa Gianna rezavam para ela. Será que diriam: “Santa Mamãe, rogai por nós!”?

Claro que achei engraçadíssimo, mas logo depois, fiquei a meditar como deve ser fantástico ter uma mãe canonizada ainda com os filhos em vida. Foi com este pensamento no coração que deparei com a seguinte carta de Gianna, já grávida de dez semanas e sabedora de seu câncer no útero, a seus três “tesouros”, como ela e seu esposo chamavam seus filhos e um ao outro. Na carta, um de seus primeiros testemunhos de fé, de coragem, de caridade, de respeito à vida que não lhe pertence:
Meus caríssimos tesouros,

Papai lhes levará milhões de grandes beijões; desejaria muito ir com ele, mas tenho de ficar de cama, pois estou um pouco dodói.

Comportem-se bem, obedeçam a Mariuccia e a Savina. Perluigi, que é o mais velho, brigue com suas duas irmãzinhas sem implicar. Mariolina, que é “a maior”, seja boa e complacente com Lauretta.

Trago vocês no coração e penso em vocês a cada momento. Rezem uma Ave Maria por mim, assim Nossa Senhorinha me fará ficar boa logo e poderei retornar a Courmayeur para abraçar vocês e ficarmos sempre juntos.
Com todo afeto, beijos e abraços,
Mamãe
“Que crianças de sorte estes Pierluiggi Maria e Laura!”, dizemos hoje. “Terem uma mãe tão afetuosa e, além de tudo, santa, canonizada!!!”

É verdade! No entanto, não consigo deixar de pensar o que diríamos se víssemos no jornal uma manchete assim: “MAE DECIDE NÃO INTERROMPER A GRAVIDEZ APESAR DE CÂNCER UTERINO”.

E, abaixo, a reportagem: “Apesar de ser médica e conhecedora do risco de morte em levar adiante uma gravidez apenas iniciada diante de um quadro de câncer uterino, a Dra. Gianna Beretta Molla insiste em não interromper a gestação de seu quarto filho. Entrevistados, seus médicos se isentam de toda a responsabilidade sobre a vida da paciente, que fizeram assinar termo de responsabilidade, etc...”

Será que, diante de tal manchete, nossa expressão: “crianças de sorte” não seria substituída por “Que mulher irresponsável! Deixar sem mãe quatro crianças! Tem que pensar nos filhos! No marido!” É muito possível que esta segunda exclamação aflorasse, impensada, aos nossos lábios ou corações acostumados com o superficial, viciados na mania de cuidar de tudo, de ter tudo sob o nosso próprio controle, inclusive a nossa vida e a dos outros, ainda que sejam “apenas” embriões.

No entanto, felizmente, ainda tem gente com têmpera de santo, como o casal que me procurou no dia 17 de maio, um dia após a canonização de Gianna Humildes e sofridos, esperaram a tarde inteira na recepção. Queriam oração. Ela está com câncer e no terceiro mês de gravidez, como Gianna. Como ela, foi aconselhada pelos médicos a abortar, palavra escondida pelos profissionais sob o eufemismo de “interromper a gravidez”. Felizmente, como a santa, ela e seu esposo optaram pela vida, pela verdade, pela santidade. Enfrentaram os médicos e decidiram levar a termo a gravidez, mesmo tendo pouco tempo de caminhada, mesmo tendo sido evangelizados há pouco, mesmo ainda conhecendo pouco, a nível de informação, a doutrina e a moral. Friso “a nível de informação” porque, a nível de coração, os dois “dão quinal” em muito teólogo moral com seus muitos anos de estudos.

A mãezinha, na conversa, disse que não tinha forças, que não tinha fé. Contei-lhe, então, como sampre dá certo tomar emprestada a fé de Maria. Enquanto orávamos, observava os dois reunirem todas as suas forças e toda a sua fé diante do sacrário, olhava o ventre ainda pouco crescido da mãezinha, a testa franzida do papai e, entregando-os a Gianna, pensava em nossa imensa responsabilidade de anunciar a verdade do Evangelho e formar segundo o que pensa Jesus, mantendo-nos firmes diante do que diz o mundo.

Pensava, sobretudo, o quanto era feliz aquela criança e o quanto é provável que, como Gianna Emmanuella, a caçula dos Molla, ela diga, com toda razão, desde já: “Santo papai, santa mamãe, rogai por mim, rogai por nós!” 

Emmir Nogueira, Co-fundadora da Comunidade Shalom

domingo, 12 de agosto de 2012

Vocação à família



Vocação é um chamado. Exige uma resposta. Na vida cristã, a vocação à família é um dom inestimável. A família é o berço de todas as outras vocações. A família é o lugar onde se desenvolvem nos seres humanos os seus relacionamentos mais significativos e especiais.

É instituição divina desde a criação do mundo. "Por isso, o homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá a sua mulher e os dois já não serão mais duas, mas uma só carne". A união entre o homem e a mulher é fundamental e querida por Deus. Os filhos são a bênção do casamento, que trás em seu bojo os sinais da fidelidade, da fecundidade e da eternidade.

Os sagrados laços do matrimônio despertam no homem e na mulher a vocação ao amor, dada por Deus mesmo a todo ser humano. Ele que é amor nos mandou amar como Ele mesmo. Criados à sua imagem e semelhança não poderia, de fato, ser diferente. O parágrafo 1604 do Catecismo da Igreja Católica chama nossa atenção para este dado importante do amor: "Deus que criou o homem por amor, também o chamou para o amor, vocação fundamental e inata do ser humano. Pois o homem foi criado à imagem e semelhança de Deus, que é amor. Tendo-os Deus criado homem e mulher, seu amor mútuo se torna uma imagem do amor absoluto e indefectível de Deus pelo homem. Esse amor é bom, muito bom, aos olhos do criador, que é amor. E esse amor abençoado por Deus é destinado a ser fecundo e a realizar-se na obra comum de preservação da criação: "Deus os abençoou e disse: sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a terra e submetei-a” (Gn 1,28)".

Que o homem e a mulher foram criados um para o outro não se discute. Assim é afirmado na Sagrada Escritura: "não é bom que o homem esteja só". Daí o Senhor lhe faz uma companheira semelhante: "carne de sua carne, ossos de seus ossos".

O matrimônio é a caracterização do início de uma nova família. Já não são mais dois, mas uma só carne. Além de ser uma instituição divina é também de índole natural. A união entre o homem e a mulher garante as gerações da prole ao longo dos anos. O Matrimônio é, portanto, uma aliança onde homem e mulher se unem pela vida toda, tendo em vista o bem de ambos e a geração e educação dos filhos. Foi o próprio Jesus que elevou esta união à dignidade de sacramento.

Muitas ameaças do mundo moderno hoje colocam em questão o verdadeiro sentido do matrimônio. Precisamos sempre mais resgatar o valor da família. O Beato Papa João Paulo II chama a família de "santuário da vida". Ao longo de todos os séculos a Igreja sempre trabalhou e zelou pela promoção da família e de seus valores. Afinal, ela tem consciência de que esta é de fundamental importância para o bem-estar de toda a humanidade. Quanto mais nossas famílias se estruturarem devidamente e sobre os alicerces da fé e da verdade, mais o mundo tomará consciência de sua verdadeira identidade e missão. O Concílio Vaticano II, no documento Gaudium et spes, ressalta que "a salvação da pessoa e da sociedade humana está estreitamente ligada ao bem-estar da comunidade conjugal e familiar".

A família é a vocação natural dos seres humanos. As demais vocações são específicas e especiais e não poderiam existir não fossem famílias generosas a oferecer seus membros em vista de um bem comum. A família não exprime sua importância apenas entre seus membros, mas suas atitudes refletem sobre a sociedade como um todo, sem dúvida. Daí a afirmação do Concílio da necessidade da família na salvação de toda a humanidade.

No sacramento do matrimônio os noivos se aceitam um ao outro, unindo-se à oferenda de Cristo à sua Igreja. Assim como Cristo amou a Igreja, os cônjuges devem se amar também. São os esposos que se conferem mutuamente o sacramento, expressando diante de toda a Igreja ali reunida o seu consentimento. O sacerdote testemunha o consentimento que é dado um ao outro. A bênção sacramental é importante na celebração. O Catecismo da Igreja Católica no §1624 ressalta este aspecto de modo claríssimo: "as diversas liturgias são ricas em orações de bênção sobre o novo casal, especialmente sobre a esposa. Na epiclese deste sacramento, os esposos recebem o Espírito Santo como comunhão de amor de Cristo e da Igreja. É ele o selo de sua aliança, a fonte que incessantemente oferece seu amor, a força em que se renovará a fidelidade dos esposos. Toda esta configuração do sacramento está para confirmar e ressaltar que o matrimônio não é uma celebração exclusiva ou particular, mas um ato eclesial: isto se manifesta claramente na presença do ministro da Igreja, bem como dos presentes, as testemunhas. O casamento é um ato litúrgico, cria direitos e deveres na Igreja, entre esposos e filhos; é um estado de vida na comunidade de fé e sua celebração tem caráter público.

Uma vez que os noivos se deram em casamento está constituída a nova família. Os filhos são frutos desse amor. O sacramento é o selo de Deus na vida do casal. Jamais pode ser dissolvido. Uma especial graça concedida ao casal é a graça que é o próprio Cristo: na união conjugal um deve ajudar o outro a se santificar, estando sempre unidos um ao outro e na aceitação e educação dos filhos. O amor que os une deve ser delicado e fecundo, sincero e firmado no temor de Deus.

O amor conjugal exige a indissolubilidade, a fidelidade e a fecundidade. Sinaliza o amor de Cristo com sua Igreja. Este amor é indissolúvel, pois nada pode romper, nenhuma miséria humana e nenhuma outra situação seria capaz de dissolver este amor; é fiel, porque dura de geração em geração, mesmo se a humanidade, no mal uso de sua liberdade, afastar-se de Deus e de seus santos ensinamentos; e fecundo, porque, como na vida do casal os filhos são frutos do seu amor, na Igreja Cristo oferece a vida aos que renasceram na água do batismo e com ele foram sepultados e irromperam tão logo vitoriosos e ressuscitados.

Jesus nasceu em uma família: a sagrada família de Nazaré. Filho de Maria e José. A igreja é a família de Deus. Nela todos são chamados a servir ao Deus vivo e verdadeiro: "Crê no Senhor Jesus e serão salvos tu e os de tua família". Nosso tempo urge que as famílias se convertam na fé e animem o mundo com a força que vem do próprio Deus. Ainda o Catecismo da Igreja Católica, no § 1656, ressalta esta necessidade: "Em nossos dias, num mundo que se tornou estranho e até hostil à fé, as famílias cristãs são de importância primordial como lares de fé viva e radiante. Por isso, o Concílio Vaticano II chama a família usando uma expressão antiga, de "igreja doméstica". É no seio da família que os pais são para os filhos, pela palavra e exemplo, os primeiros mestres da fé. E favoreçam a vocação própria a cada qual, especialmente a vocação sagrada".

O lar da família é o espaço privilegiado da educação, do cuidado e da ternura; é a escola da vida e da fé. Os pais são, portanto, o primeiro catequista de seus filhos. Cabe-lhes introduzir sua prole no caminho cristão e acompanhar todo o seu desenvolvimento nas diversas etapas do caminho da fé. É lá, também, o celeiro de vocações e de um suficiente e necessário desenvolvimento e enriquecimento da pessoa humana. As melhores e mais importantes lições vêm de casa. Ninguém deve estar privado da família. Assim também nossas igrejas, comunidades paroquiais devem ser casa e família para todos, especialmente para os mais cansados, excluídos e enfraquecidos. Seguindo a orientação de São Paulo, na carta aos Efésios, que os maridos amem suas esposas como Cristo amou a Igreja. Grandioso mistério de amor de um Deus que se revela e se deixa conhecer. 

“Que a família comece e termine sabendo onde vai, que o homem carregue nos ombros a graça de um pai; que a mulher seja um céu de ternura, aconchego e calor e que os filhos conheçam a força que brota do amor” (Pe. Zezinho)!

Dom Orani João Tempesta, O. Cist.
Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro - RJ

Semana Nacional da Família - Paróquia Nossa Senhora do Carmo


quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Catequese do Papa Bento XVI sobre a vida de oração de São Domingos


Caros irmãos e irmãs,

Hoje a Igreja celebra a memória de São Domingos de Gusmão, sacerdote e fundador da Ordem dos Pregadores, os Dominicanos. Em uma catequese anterior eu abordei esta nobre figura e a fundamental contribuição que ele deu à renovação da Igreja de seu tempo. Hoje, eu gostaria de trazer à tona um aspecto essencial de sua espiritualidade: a vida de oração. São Domingos era um homem de oração. Apaixonado por Deus, não teve outra aspiração que a salvação das almas, especialmente aquelas caídas nas redes das heresias de seu tempo. Imitador de Cristo, encarnou radicalmente os três conselhos evangélicos, unindo à proclamação da Palavra o testemunho de uma vida pobre. Sob a inspiração do Espírito Santo, progrediu no caminho da perfeição cristã. Em todos os momentos, a oração era a força que o renovava e tornava sempre mais fecunda a sua obra apostólica.

O Beato Jordão da Saxônia, que morreu em 1237, sucessor de São Domingos como líder da Ordem, escreve assim: “Durante o dia, ninguém se mostrava mais amigável que ele... Por outro lado, à noite, ninguém foi mais assíduo que ele na oração. O dia, dedicava ao próximo e, a noite, dava a Deus.” (P. Filippini, São Domingos visto por seus contemporâneos, Bolonha 1982, pg. 133). Em São Domingos, podemos ver um exemplo de integração harmoniosa entre a contemplação dos mistérios divinos e a atividade apostólica. De acordo com o testemunho de pessoas mais próximas, “ele falava sempre com Deus ou de Deus.” Tal observação indica a sua profunda comunhão com o Senhor e, ao mesmo tempo, o compromisso contínuo de levar os outros a essa comunhão com Deus. Não deixou escrito sua oração, mas a tradição Dominicana reuniu e transmitiu sua experiência viva em um obra intitulada: As nove maneiras de rezar de São Domingos. Este livro foi elaborado entre 1260 e 1288 por um frade dominicano. Ele nos ajuda a compreender algo da vida interior do santo e também ajuda-nos, com todas as diferenças, a aprender algo sobre como rezar.

São, portanto, nove maneiras de orar de acordo com São Domingos e cada uma delas, que realizava sempre diante de Jesus Crucificado, expressa uma atitude corporal e espiritual que, se intimamente compenetrados, favorece-nos o recolhimento e o fervor. Os primeiros sete modos seguem uma linha ascendente, como passos de uma jornada rumo à comunhão com Deus, com a Santíssima Trindade: São Domingos reza em pé, inclinado para exprimir humildade, deitado no chão para pedir perdão por seus pecados, de joelhos penitenciando-se para participar dos sofrimentos do Senhor, com os braços abertos olhando para o crucifixo para contemplar o Amor Supremo e olhando para o céu, sentindo-se atraído ao mundo de Deus. Então são três formas: em pé, ajoelhado, deitado no chão, mas Sempre com o olhar voltado para o Senhor Crucificado. Os dois últimos aspectos, no entanto, que gostaria de abordar brevemente, correspondem a duas práticas de piedade geralmente vividas pelo santo. Antes de tudo, a meditação pessoal, em que a oração adquire uma dimensão ainda mais íntima, fervorosa e tranquilizante. No final da recitação da Liturgia das Horas e após a celebração da Missa, São Domingos prolongava a conversa com Deus, sem estabelecer um limite de tempo. Sentado calmamente, recolhia-se numa atitude de escuta, lendo um livro ou olhando para o crucifixo. Viveu tão intensamente estes momentos de relacionamento com Deus que aparentemente era possível compreender suas reações de alegria ou de lágrimas. Assim, assimilou a si mesmo, meditando a realidade da fé. Testemunhas dizem que, às vezes, entrava em uma espécie de êxtase, com o rosto transfigurado, mas logo retomava suas atividades diárias, humildemente revigorado pela força que vem do alto. Também a oração: enquanto viajava de um convento ao outro, recitava as Laudes, ao meio-dia, as Vésperas com os colegas e, cruzando os vales ou colinas, contemplava a beleza da criação. De seu coração jorrava um hino de louvor e agradecimento a Deus por tantas graças, especialmente a maravilha maior: a redenção feita por Cristo.

Caros amigos, Domingos lembra-nos que, na origem do testemunho de fé, o que todo cristão deve viver em família, no trabalho, na vida social, e até mesmo em momentos de relaxamento, é a oração o contato pessoal com Deus e só este relacionamento real com Deus nos dá força para viver intensamente cada situação, especialmente os momentos mais sofridos. Este santo nos lembra também a importância das atitudes externas em nossas orações. O ajoelhar-se, o permanecer em pé diante do Senhor, fixar o olhar no crucifixo, parar e se recolher em silêncio não são atitudes secundárias, mas nos ajuda a nos questionar interiormente, com toda a pessoa, em relação com Deus. Quero recordar mais uma vez, para a nossa vida espiritual, a necessidade de encontrar diariamente momentos de oração com tranquilidade. Devemos aproveitar este momento especialmente durante os momentos de férias, reservar um pouco de tempo para conversar com Deus. Será também uma maneira de ajudar aqueles que nos são mais próximos a entrar nos raios luminosos da presença de Deus, que traz paz e o amor que todos nós precisamos. Obrigado.

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Para que Deus criou o ser humano?



59 - Deus fez tudo para o ser humano. Deus criou o ser humano, "a única criatura a ser querida por Deus em si mesma" (Gaudium et spes, n° 24), para ser feliz. Isso acontece na medida em que ele conhece Deus, O ama, O serve e vive com gratidão diante do seu Criador. [358].

A gratidão é o amor reconhecido. Quem é grato volta-se, na liberdade, para o Autor do Bem e começa com Ele uma relação nova e mais profunda. Deus gostaria que conhecêssemos o Seu amor e vivêssemos, desde já, toda a nossa vida numa relação com Ele. Esta relação permanece eternamente.

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Música da Semana!


"Renunciando à vossa existência passada, despojai-vos do homem velho, que se corrompe sob o efeito das paixões enganadoras, e renovai o vosso espírito e a vossa mentalidade. Revesti o homem novo, criado à imagem de Deus, em verdadeira justiça e santidade." Ef 4, 22-24


Bom dia!
Nessa semana o que desejamos à você, assim como o Senhor nos disse na Palavra ontem, é que seja renovado! Permita que o Senhor, Pão da Vida, renove seu espírito e sua mentalidade! Permita que Ele te revista do homem novo, aquele que se sabe amado e querido por Deus e que por isso deseja responder com gratidão ao apelo do Pai!
Nesse mês vocacional, vá em frente no caminho do Senhor! Não tenha medo de dar os primeiros passos, não tenha medo de lançar suas redes! Saiba que Jesus está na Eucaristia, o verdadeiro pão que não perece, para permanecer contigo e te dar as forças necessárias para seguir adiante.
O Senhor conta com você! Não deixe a graça passar em sua vida!
Que Maria, aquela que deu a resposta importante mais importante da nossa história, seja teu modelo nesta semana!
A paz!


domingo, 5 de agosto de 2012

Dia do Ministério Ordenado!



"Quem coloca Jesus no Sacrário? O padre. Quem acolheu nossa alma na entrada da vida? O padre. Quem alimenta nossa vida na peregrinação terrestre? O padre. Quem prepara nossa alma para comparecer diante de Deus? O padre. É o padre quem dá continuidade a obra da redenção na terra".
São João Maria Vianney

Parabéns a todos os padres! Que o Senhor os abençoe!

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Celibato ou Matrimônio?




Num retiro sobre afetividade-sexualidade, um jovem se aproximou e perguntou: “Padre, estou em dúvida. O que faço? O que escolho? Celibato ou casamento?”. Olhando-o e, percebendo sua ansiedade, disparei: nem uma coisa, nem outra. A ordem é experimentar exageradamente o amor de Deus, aprofundar amizades em Jesus, e perguntar-se: ”Senhor, que queres que eu faça?”.

Explico-me. Percebo entre a juventude uma tendência muito complicada. Para evitar a tentação de cair em pecado, muitos jovens correm apressadamente para o casamento. Tudo seria maravilhoso se não estivesse por trás uma falta muito grande de amadurecimento afetivo-sexual e, principalmente uma falta de discernimento quanto ao seu verdadeiro estado de vida.

Há também, no coração de nossos jovens, uma grande pressão do “espírito do tempo”. Mora neles, a mentalidade do mundo que privilegia um modelo de afetividade-sexualidade hedonista, pornográfica, panfletária. Pe. Léo lembrava que os jovens são formados no caixote de uma sexualidade estragada. Precisamos quebrar essa corrente.

Primeiro: experimentar exageradamente o amor de Deus. Um jovem necessita antes, tocar um Deus que o ama profundamente. Urge promover esse encontro. Nossos afetos precisam encontrar-se com esse amor infinito. Como a Samaritana de Jo 4, temos absoluta sede de “Agua Viva”. Como a Samaritana, não conhecemos o dom de Deus e quem é que pede de beber. Quando conhecemos o Amor de Deus, algo muda dentro de nós. Deus é amor (cf. 1 Jo 4,8). Amor que deságua no Cântico dos Cânticos, “mais forte do que a morte”. É este amor verdadeiro, que prepara nossa afetividade-sexualidade para transbordar amor maduro, consciente, ativo.

Segundo: aprofundar amizades em Jesus. Sem amizades verdadeiras não haverá bons maridos e boas esposas, nem mesmo bons religiosos e celibatários. É absolutamente necessário incentivar amizades verdadeiras. Amizades amadurecidas em Jesus proporcionam base afetiva para relacionamentos saudáveis. Quem encontrou um amigo realmente encontrou um tesouro (cf. Eclo 6,14).

Terceiro: Discernir: ”Senhor, que queres que eu faça?”. Investindo em relacionamentos saudáveis, tocados pela certeza de um Deus que o ama, e tem um projeto de felicidade para com ele, nosso jovem passa a perguntar-se pelo que Deus espera deles. Ninguém deve decidir nada, principalmente seu estado de vida, sem antes perguntar-se pela vontade de Deus. Urge uma atitude permanente de discernimento. Ouvir a Voz de Deus. Ler seus Sinais. Deus fala sempre.

Estes três pilares trabalham a afetividade-sexualidade do jovem, e, coloca as bases para discernir seu estado de vida. Celibato ou casamento? Não! A sua VOCAÇÃO. Em maturidade o jovem percebe na própria vida se será feliz no celibato, ou no matrimônio. Tudo para glória e alegria de Deus.

Rezo por você. Bom discernimento!

Fique na paz de Deus!

Pe. Vicente, Comunidade Bethania

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Catequese do Papa sobre a oração de Santo Afonso Maria de Ligório


Caros irmãos e irmãs,

Hoje celebramos a memória litúrgica de Santo Afonso Maria de Ligório, bispo e doutor da Igreja, fundador da Congregação do Santíssimo Redentor, os Redentoristas, padroeiro dos estudiosos de teologia moral e dos confessores. Santo Afonso é um dos santos mais populares do século XVIII por seu estilo simples e direto e por sua doutrina sobre o sacramento da Penitência: em um período de grande rigor, fruto da influência do jansenismo, ele aconselhava aos confessores que ministrassem este Sacramento manifestando o alegre abraço de Deus Pai, que na sua infinita misericórdia não se cansa de receber o filho arrependido. A celebração de hoje nos dá a oportunidade de debruçarmos sobre os ensinamentos de Santo Afonso a respeito da oração, muito preciosos e cheios de inspiração espiritual. Volto ao ano de 1759, data de seu tratado “O grande meio da oração”, que ele considerava o mais eficaz de todos os seus escritos. Ele descreve a oração como “o meio necessário e seguro para se obter a salvação e todas as graças que necessitamos para alcançá-la." (Introdução) Nesta frase é sintetizado o modo alfonsiano de entender a oração.

Antes de tudo, dizendo que é um meio, nos faz uma recordação no intuito de alcançar: Deus criou por amor, para poder nos dar vida em abundância, mas esta meta, esta vida em plenitude, por causa do pecado, é, por assim dizer, distanciada - todos sabemos - e somente a graça de Deus pode torná-la acessível. Para explicar esta verdade básica e nos fazer entender como é realmente real para o homem os riscos de se perder, Santo Afonso criou uma máxima famosa, muito simples, que diz: "Quem reza se salva, quem não reza se condena." Comentando sobre esta frase lapidar, acrescentou: "Se salvar sem oração é dificílimo, senão impossível... mas rezando o 'salvar-se' é algo seguro e fácil” (II, Conclusão). Ele ainda diz: "Se não oramos, para nós não há desculpa, porque a graça de rezar é dada a todos... se não nos salvarmos, toda a culpa será nossa, por não termos rezado" (ibid.). Dizendo ainda que a oração é uma condição necessária, Santo Afonso queria dar a entender que em cada situação da vida não se pode fazer menos que rezar, especialmente nos momentos de provação e dificuldade. Sempre devemos bater à porta do Senhor com confiança, sabendo que em tudo Ele cuida de seus filhos, de nós. Por isso, somos convidados a não termos medo de recorrer a Ele e de apresentar com confiança os nossos pedidos, na certeza de alcançarmos o que necessitamos.

Caros amigos, esta é a questão central: o que é realmente necessário em minha vida? Respondo com Santo Afonso: "A saúde e todas as graças que por ela necessitamos" (ibid.), é claro, ele quer dizer não só a saúde do corpo, mas acima de tudo, da alma, que Jesus nos dá. Mais do que qualquer outra coisa, precisamos de sua presença libertadora que nos torna plenamente humanos, e por isso, enche de alegria o nosso existir. E só através da oração podemos acolhê-Lo, a Sua graça, que, iluminando-nos em cada situação, faz-nos discernir o verdadeiro bem e, fortalecendo-nos, torna eficaz também a nossa vontade, torna-a capaz de implementar o bem conhecido. Muitas vezes reconhecemos o bem, mas não somos capazes de fazê-lo. Com a oração, conseguimos realizá-lo. O discípulo do Senhor sabe que está sempre exposto à tentação e não deixa de pedir ajuda a Deus em oração, para vencê-la.

Santo Afonso recorda o exemplo de São Filipe Neri - muito interessante – no qual desde o primeiro momento em que ele acordava de manhã, dizia a Deus: "Senhor, ponha hoje as mãos sobre Filipe, porque senão, Filipe vai te trair”. (III, 3) Grande realista! Ele pede a Deus para manter Sua mão sobre ele. Nós também, conscientes de nossa fraqueza, devemos pedir a ajuda de Deus com humildade, confiando na riqueza da Sua misericórdia. Em outra mensagem, Santo Afonso diz: "Somos pobres de tudo, mas se questionamos não somos mais pobres. Se somos pobres, Deus é rico "(II, 4). E, seguindo Santo Agostinho, o convite é para que o cristão não tenha medo de procurar Deus, com a oração, aquele poder que não há igual e é necessário para se fazer o bem, na certeza de que o Senhor não nega sua ajuda àqueles que rezam com humildade (cf. III, 3). Caros amigos, Santo Afonso nos lembra que a relação com Deus é essencial em nossa vida. Sem o relacionamento com Deus falta a relação fundamental e a relação com Deus consiste em falar com Deus na oração pessoal diária e participação nos sacramentos, assim este relacionamento pode crescer em nós, pode crescer em nós a presença divina que conduz o nosso caminho, ilumina-o e o torna seguro e sereno, mesmo no meio de dificuldades e perigos. Obrigado.

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Cantinho de Maria

A alma de Maria



Talvez, como eu, você se tenha perguntado mil vezes: como é a alma de Maria? Como ela vê o mundo, as pessoas? Como se relaciona com Deus, com o criador? Como sente? Como pensa? Como age? Como reage? Como medita? Como ora Maria?

Talvez, até, você estranhe de estarmos utilizando o verbo no presente. Mas é que este é exatamente o primeiro segredo ao se contemplar Maria. Tem-se que utilizar sempre o presente: o céu existe nela desde sua concepção. Hoje, é certo, ela está no céu, de corpo e alma, ressuscitada, plena também em seu corpo do que ela aqui viveu plenamente. Mas como é, afinal, a alma desta que trouxe o céu em si e nunca conheceu em sua alma nada que não fosse o próprio céu?

Nós, que mal e mal conhecemos nossa alma, nós a quem o acesso pleno à própria alma é impossibilitado pelo pecado, nós, a quem o acesso irrestrito ao próprio corpo, à própria história é barrado pela imperfeição, ousamos contemplar, amorosos, a alma de Maria.

Como isso só é possível se nos for dado do céu, pelo poder do Espírito Santo, em uma partilha de sua intimidade com a Esposa, é a Ele que devemos pedir licença para penetrar neste santuário incomparável. Somente Ele, também, poderá ser nosso guia. O recato de Maria, sua vida interior tão rica quanto reservada, o fato de que ela só ama, não permitiria que ela mesma fosse nossa guia. Maria não caminha no interior de si mesma: caminha no interior de Deus, em quem vive.

Este é o primeiro aspecto a ser contemplado: nada há em Maria que seja ela mesma. Ela é toda ela mesma, certamente, em seu corpo e alma. No entanto, não é nela que se encontra a ela própria, pois ela não vive em si nem para si. Vive toda em Deus e para Deus. No outro e para o outro. Se se quiser encontrá-la, portanto, é Nele que a encontramos. Esta é a primeira coisa a aprender: só é plenamente, só é verdadeiramente quem se é quando não se é para si e não se é em si.

Ao buscarmos a alma de Maria, sua vida interior, seu íntimo mais íntimo, não a encontramos. Encontramos Deus. Encontramos o homem, cada homem, todo homem. Encontramos a vontade de Deus mais plenamente pura – e, portanto, mais plenamente escondida, misteriosa, desafiante - e mais radicalmente obedecida. Encontramos um universo sem fim de corações de homens guardados em seu coração.

Ao ser visitada por Gabriel, ao receber os pastores, ao acolher os magos, ao ouvir Simeão, Maria não arquiva palavras e fatos em seu coração, como eu faço facilmente com as palavras que escrevo, arquivando-as na memória de meu computador. Maria não arquiva fatos, frases, constatações, acontecimentos em sua memória. Maria guarda mistérios em sua alma, em seu coração. Guarda-os, como se entesoura coisas preciosas: atentamente, amorosamente, cuidadosamente, respeitosamente. Guarda o mistério da vontade de Deus, guarda o mistério da alma de cada pessoa, da sua e da minha.

Buscamos a alma de Maria e encontramos Deus. Buscamos seu coração e encontramos o homem. Buscamos seu íntimo e encontramos amor. Por isso não a encontramos. Ela não existe senão em Deus e nos outros. É a mulher-amor, a toda graça, a toda de Deus, a nada dela mesma.

É difícil evitar um sorriso complacente quando a gente vê pessoas que se querem vestir como Maria, caminhar como Maria, agir como Maria, amar como Maria. Teriam que vestir-se de sol, pois era Maria quem dava sentido ao que vestia, e não o contrário. Teriam que caminhar para dentro de si mesmos, onde habita Deus, pois o caminho de Maria não é para realizações exteriores, mas interiores. Teriam que agir sem agir, entregues, abandonados, pois, em Maria, quem faz toda a Obra é Deus. É Ele quem a direciona a agir para que o amor seja implantado, sempre. E, como o amor é pequeno, sempre pequeno, sempre loucamente perdido em Deus e nos outros, ao quererem amar como Maria teriam que, literalmente, desaparecer, sumir, diminuir até ser nada e Deus ser tudo.

Tenho para mim – cá com meus botões mais íntimos – uma intuição que João, o Batista, conheceu muitíssimo bem a alma de Maria. Foi por meio dela que sua alma foi purificada ainda no seio de Isabel. Os dois, a partir de então, desenvolveram uma cumplicidade única, irrepetível, sobre a terra: a vida – para ela desde a concepção, para ele desde os seis meses de gestação – livre do pecado original.

Cúmplices, os dois desapareceram e deixaram aparecer quem amavam. Deixaram aparecer quem interessava. Cederam todo o seu espaço interior e exterior para Aquele de quem eram mediador e medianeira e, ao amar, sumiram, desfizeram-se em amar, consumiram-se em não ser para si e em si para serem para Ele e Nele: o Menino, o Cordeiro, a Criança de Deus.

Maria é, então, uma despersonalizada, uma pobre coitada, pouco brilhante, sem expressão, indefinida? Quem ousaria pensar tal coisa?!? Ninguém há que seja tão ela mesma. Ninguém que seja tão feliz. Ninguém que tenha tamanho brilho. Ninguém que tenha influenciado tanto a humanidade afora Jesus, o Filho, para quem ela é toda.

A alma de Maria é Jesus. É o Pai. É o Espírito. A alma de Maria é a Trindade em permanente relacionamento de amor. Maria é feita e se faz amor e amar. Dá-se em tudo e sempre. Porque não busca a si mesma encontra-se plenamente. Porque não busca a própria realização realiza-se profundamente. Porque não se dá descanso, é paz. Porque faz sua a vontade do Pai, ainda que só a conheça como mistério, é inteiramente livre e feliz.

A alma de Maria. Maria. A que é porque não é. A que existe em Deus que é seu habitat. A que faz-se tão ampla, tão aberta, tão plenamente o outro que nela só há espaço de abertura e acolhida; nela, o paraíso de Deus; nela o paraíso dos homens; nela o não aparecer para que só Deus seja visível; nela o não falar para que só Deus seja Palavra, nela o abandono para que em tudo faça-se, plenamente, a vontade de Deus, para a Sua felicidade, para a felicidade do homem.

Quem tem amor assim, este conhecerá a alma de Maria, paraíso de Deus, paraíso do homem. A esta alma, só o amor conhece, só o amor a Deus e aos homens toca e maravilha-se com o mistério escondido no não ser para ser plenamente, no perder-se em amor para que o Amor seja tudo em todos.

Maria Emmir Oquendo Nogueira
Co-fundadora da Comunidade Shalom