quinta-feira, 14 de novembro de 2013

A sujeira que deixamos

Hoje fui ao Taguaparque e me deparei com um "laguinho" que tem perto do estacionamento e não pude ignorar a sua sujeira e mal cheiro.

Contemplando aquela imagem nada atraente, comecei a refletir sobre como a sujeira é capaz de inutilizar um local e, além de inutilizar, torná-lo desagradável de se ver e se cheirar.

Comecei a pensar que o lago não se sujou sozinho, mas que as pessoas, por inúmeros motivos, começaram a despejar ali os seus lixos.

Em meu coração, senti o Espírito Santo me dizer que fazemos assim também na vida das pessoas e que pessoas fazem assim também em nossas vidas.

Muitos chegam perto de nós e despejam seus lixos, sem explicações mas cheios de justificativas. E se não houver alguém para juntar essas sujeiras e proteger o lugar logo, logo, nos tornamos também inúteis e desagradáveis.

Pedi então ao Senhor que viesse em minha vida, em minha história e limpasse minhas sujeiras. Sujeiras que eu fui depositando em cada escolha errada, em cada decisão precipitada, em cada atitude incoerente, em cada gesto mal. Pedi que o Senhor fosse fundo dentro do meu coração e retirasse as sujeiras impregnadas e mal cheirosas do orgulho, da soberba, da inveja, da maldade e do egoísmo.

Pedi ao Senhor que também me limpasse da sujeira que os outros jogaram em mim, quantos que se aproximaram e ainda hoje se aproximam para despejar suas frustrações, suas ignorâncias, suas impaciências e falta de educação.

Existem sujeiras em nós que todos podem ver, todos podem sentir, e existem aquelas bem no fundo, que só o Senhor e nós vemos e sabemos que ali estão.


Pedi para Jesus limpar estas também.


Rezei com isso. Se desejar, reze você também.

Tuani de Castro
Membro da Comunidade Gratidão

Um comentário:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir