sexta-feira, 9 de maio de 2014

Texto para reflexão - A maternidade e a Teologia do Corpo





Existe algo melhor do que sentir o amor de mãe? O mês de maio é dedicado às Mães. Logo, este mês é dedicado a toda mulher que se abre a sua constituição fisiológica e espiritual conforme o desígnio de Deus. É dedicado a toda mulher que corresponde a vocação natural da maternidade, física ou espiritual.

O que de fato é ser mãe? Para entendermos um pouco mais sobre a maternidade, é preciso também refletir sobre o que é ser mulher. Hoje, há certa visão conflituosa acerca da feminilidade e em consequência da maternidade.

Para a corrente feminista, só se é mulher, de fato, quando esta abandona a "opressão" machista e patriarcal do matrimônio para se rebaixar à opressão feminista do movimento. Mulher então não pode se casar e se submeter ao marido. Mulher escolhe carreira e não filhos, mulher tem controle total e absoluto sobre o seu corpo podendo mutilá-lo, vendê-lo ou oferecê-lo de graça como fonte de prazer a quem quer que seja. Mulher é autossuficiente e não precisa viver a realidade do amor. Esta é a “verdadeira mulher”.

Para Deus a mulher é o tesouro da pureza e da santidade, da qual se pode haurir o genuíno significado da dignidade humana. Não é a toa que a mulher está no centro e no ápice da história da Salvação, na Encarnação do Verbo de Deus.

A dignidade da mulher vai além do que se pode definir com poucas palavras, a dignidade da mulher está na infinitude do coração de Deus ao pensar na mulher como “ezer” do homem (Deus deu à mulher a missão de ser socorro do Homem, independentemente de qual seja a sua necessidade física, espiritual, emocional, psicológica, profissional), ao convocá-la a disponibilidade de gerar vida no seu ethos feminino (a maternidade é constitutivo da mulher, não se pode apagar o que está inscrito pelo próprio Criador em sua alma). Embora a maternidade seja constitutivo da mulher, não se reduz a sua dignidade e identidade feminina ao aspecto biológico da procriação.

A mulher foi criada à imagem e semelhança de Deus, de um Deus que é Amor e que a formou para ser sinal do amor Dele mesmo pelo homem no mundo. Ser mulher é ser sinal de doação e vida no mundo.

Compreendendo um pouco mais sobre a dimensão do feminino, se abre uma nova perspectiva do que é ser mãe. Ser mãe é uma disposição natural, física e espiritual da mulher. Não é uma ameaça à identidade feminina como muitos pensam por aí. Ser mãe é fonte de realização e libertação, é viver a realidade do amor que dá a vida, do amor heroico e altruísta que desde o início compreende a dimensão do dom de si e se oferta integralmente ao outro.

A maternidade muda a vida de uma mulher a partir do momento da concepção. O seu corpo se prepara para acolher a vida ali dentro gerada, a suas emoções são redimensionadas e direcionadas a se tornarem mais sensíveis as necessidades do filho que cresce em seu ventre, seu psicológico se reorganiza realizando a transição de filha para mãe, de cuidada para aquela que cuida, seu espiritual se eleva em altruísmo e capacidade de pensar primeiro no outro do que em si mesma.

A maternidade realiza e atualiza diariamente na mulher o Sacrifício de Cristo. Todos os dias uma mãe vive e revive a Palavra de Salvação de Cristo “este é o meu corpo dado por vós, este é o meu sangue derramado por vós”, a mulher vive esta realidade de sacrifício e entrega de si quando diz Sim ao Matrimônio, quando diz Sim à Vida, quando diz Sim ao Amor, quando diz Sim à sua dignidade, quando diz Sim à sua identidade.

Que o olhar de carinho e admiração que Jesus lança à Sua Santíssima Mãe, Nossa Senhora, abra os olhos de todas as mulheres à beleza de sua identidade feminina.

Que o amor de Jesus por sua Virgem Mãe cure as feridas presentes nos corpos de tantas mulheres que sofreram e sofrem abusos em sua dignidade.

Que a intimidade vivida entre Jesus e Nossa Senhora conduza o coração das mulheres a extraordinária mística que são chamadas a viver com o Senhor.

Que a Gratidão de Jesus à Sua Mãe que se manteve de pé diante da Cruz reanime a capacidade de perseverança e a força das mulheres em suas lutas diárias

Comunidade Católica Gratidão

Nenhum comentário:

Postar um comentário