terça-feira, 8 de março de 2016

Dia internacional da mulher?




Nos dias de hoje, infelizmente, a luta pelas mulheres é fantasiada, travestida de ideologias.

Estas promovem uma propaganda de igualdade de gênero, onde, na verdade, a "opressão" sofrida pela mulher em relação ao homem na visão das feministas só se satisfaria de fato se estas ficassem em um patamar superior ao dos homens. 

Um novo "cavalo de Tróia" está à espreita. Trata-se do PRC 107/2015, que tem como objetivo criar uma Comissão Permanente de Defesa dos Direitos da Mulher por meio da alteração do regimento interno da Câmara, ainda que já existam três instâncias na Câmara dos Deputados para tratar dos direitos das mulheres.

Se essa Comissão Permanente for criada, será utilizada para aplicar os "acordos e convenções nacionais e internacionais relacionados com os direitos das mulheres". Ora, não existem tratados internacionais que obriguem qualquer país a realizar abortos. Porém, o que está em jogo aqui é uma distorção de um dos artigos do Tratado Internacional de Direitos Civis Políticos, que afirma:
          “Todo ser humano tem direito à vida. Este direito deve ser protegido pela lei. Ninguém pode ser arbitrariamente privado de sua vida”.

Qualquer pessoa que não tenha má intenção enxerga neste artigo um dispositivo de proteção da vida de qualquer pessoa, particularmente dos mais frágeis (por exemplo, os nascituros). Porém, o lobby abortista internacional utiliza este artigo para defender a legalização do aborto, já que sua proibição causaria a morte de milhares de mulheres.

As mulheres e todos cidadãos deste país estão protegidos em dignidade e igualdade de direitos por nossa Carta Magna, a Constituição de 1988. 

Brasil: país de todos. Direito de todos, direito de viver desde o ventre materno.

Hoje, na câmara dos deputados, estará em votação o PRC 107/2015. Ofereçamos nossas orações em intercessão pela não instituição da Comissão de defesa dos "Direitos da mulher".

É preciso também, neste dia, relembrarmos do verdadeiro valor da mulher católica.  Na "Carta do Papa João Paulo II às Mulheres", ele faz uma referência e agradecimento especial à cada tipo de mulher em suas dignidades específicas: 

"Obrigado a ti, mulher-mãe, que te fazes ventre do ser humano na alegria e no sofrimento de uma experiência única, que te torna o sorriso de Deus pela criatura que é dada à luz, que te faz guia dos seus primeiros passos, amparo do seu crescimento, ponto de referência por todo o caminho da vida.
Obrigado a ti, mulher-esposa, que unes irrevogavelmente o teu destino ao de um homem, numa relação de recíproco dom, ao serviço da comunhão e da vida.
Obrigado a ti, mulher-filha e mulher-irmã, que levas ao núcleo familiar, e depois à inteira vida social, as riquezas da tua sensibilidade, da tua intuição, da tua generosidade e da tua constância.
Obrigado a ti, mulher-trabalhadora, empenhada em todos os âmbitos da vida social, económica, cultural, artística, política, pela contribuição indispensável que dás à elaboração de uma cultura capaz de conjugar razão e sentimento, a uma concepção da vida sempre aberta ao sentido do « mistério », à edificação de estruturas econômicas e políticas mais ricas de humanidade.
Obrigado a ti, mulher-consagrada, que, a exemplo da maior de todas as mulheres, a Mãe de Cristo, Verbo Encarnado, te abres com docilidade e fidelidade ao amor de Deus, ajudando a Igreja e a humanidade inteira a viver para com Deus uma resposta « esponsal », que exprime maravilhosamente a comunhão que Ele quer estabelecer com a sua criatura.
Obrigado a ti, mulher, pelo simples fato de seres mulher! Com a percepção que é própria da tua feminilidade, enriqueces a compreensão do mundo e contribuis para a verdade plena das relações humanas."


Que toda mulher queira ser dócil como a Virgem Maria, e ter o seu coração moldado segundo o coração de Deus.

Comunidade Católica Gratidão

Nenhum comentário:

Postar um comentário