sábado, 30 de julho de 2016

Tudo se faça em honra de Deus



Foge dos maus hábitos; e diante do povo fala contra eles. Dize a minhas irmãs que amem o Senhor e estejam satisfeitas com seus maridos, de corpo e alma. Igualmente a meus irmãos ordena em nome de Jesus Cristo que amem suas esposas como o Senhor ama a Igreja. Se alguém pode guardar a castidade em honra da carne do Senhor, permaneça na humildade. Envaidecendo-se, perecerá. Julgando-se superior ao bispo, está morto.

Convém, certamente, que o noivo e a noiva se unam em casamento, com a aprovação do bispo, a fim de que as núpcias sejam segundo o Senhor e não conforme a concupiscência. Tudo se faça em honra de Deus.

Escutai o bispo para que Deus vos escute. Estou pronto a dar minha vida por aqueles que são submissos ao bispo, aos presbíteros, aos diáconos. Oxalá tenha eu parte com eles em Deus. Colaborai uns com os outros. Juntos lutai, juntos correi. Padecei juntos. Adormecei em união, em união levantai-vos, como administradores, familiares e servos de Deus que sois. Dai-lhe prazer, àquele para quem militais e de quem recebereis o soldo. Nenhum seja desertor. Vosso batismo seja a vossa arma; a fé, o vosso capacete; a caridade, a vossa lança; a paciência, a vossa armadura completa. As vossas obras sejam vosso depósito para receberdes em justiça o que vos é devido. Sede generosos e longânimes uns com os outros, com mansidão, assim como Deus em relação a vós. Quem me dera gozar para sempre de vosso convívio!

A Igreja, que está em Antioquia na Síria, segundo me foi referido, goza da paz por vossas orações. Assim, estou agora mais tranquilo e seguro em Deus. Que possa eu, agora, alcançar a Deus pelo martírio e acompanhar-vos na ressurreição!

Seria bom, Policarpo, querido de Deus, promover uma reunião, sob o olhar divino, para escolher alguém, querido de todos e incansável, que se possa chamar um arauto de Deus. Deste modo, reveste-o tu de tal honra, que ele possa ir à Síria e lá tornar conhecida a vossa incansável caridade, para a glória de Deus.

O cristão não tem poder sobre si: é todo de Deus. Esta é obra de Deus e vossa, quando a tiverdes realizado. Espero em vossa prontidão para toda e qualquer obra de Deus. Conhecendo vosso ardente desejo da verdade, com breve carta vos exortei.

Já que não pude escrever a todas as Igrejas porque, diante de uma ordem repentina, tive de navegar de Trôade a Nápoles, tu, que estás unido à vontade de Deus, escreve às Igrejas da região oriental e todos os que puderem façam o mesmo, através de portadores ou de correios. E todos sereis, eternamente recompensados.

Desejo que passeis sempre bem em nosso Deus, Jesus Cristo, por quem permaneceis na unidade de Deus e no episcopado. Adeus no Senhor!


Da Carta a Policarpo, de Santo Inácio de Antioquia, bispo e mártir
(Nn. 5,1-8,1.3: Funk 1,249-253)
(Séc. I)

Nenhum comentário:

Postar um comentário