sábado, 6 de agosto de 2016

A Transfiguração do Senhor nas palavras do Papa Bento XVI


Neste último dia 06 de agosto, a Igreja celebrou a Festa da Transfiguração do Senhor. Um evento - disse Bento XVI - que nos lembra que "as alegrias semeadas por Deus na Vida não são pontos de chegada, mas luz que Ele nos dá em nossa peregrinação terrena, porque só Jesus é o critério que norteia nossa existência." A Rádio Vaticano propõe uma reflexão sobre a Transfiguração a partir das palavras do Papa Bento XVI. No Tabor, Pedro, Tiago e João contemplam a glória do Filho de Deus, antecipam um pedaço de paraíso. "Trata-se geralmente de breves experiências - diz o Papa - que Deus às vezes concede, especialmente em vista de duras provas": "A ninguém, no entanto, é permitido viver no Tabor enquanto estiver sobre esta terra. A existência humana, de fato, é um caminho de fé e, como tal, prossegue mais na sombra do que na plena luz, não sem momentos de escuridão e também de muita escuridão. Enquanto estamos aqui embaixo, nosso relacionamento com Deus vem mais da escuta que da visão, e própria contemplação se dá, por assim dizer, a olhos fechados, graças à luz interior em nós acesa pela Palavra de Deus. "(Angelus de 12 Março de 2006) Pedro queria ficar muito tempo sobre Tabor. Mas o caminho que aponta Jesus é outro: "Aqui é o ponto crucial: a Transfiguração é uma antecipação da ressurreição, mas esta pressupõe a morte. Jesus manifesta a sua glória aos Apóstolos, para que eles tenham a força para enfrentar o escândalo da cruz, e compreendam que é preciso passar por muitas tribulações para chegar ao reino de Deus.” (Angelus de 17 de Fevereiro de 2008) Mas o que é a transfiguração de Jesus? "A Transfiguração de Jesus não é uma mudança, mas a revelação de sua divindade, a certeza profunda íntima de seu ser com Deus, que se transforma em pura luz. Em sua unidade com o Pai, o próprio Jesus é Luz da Luz". (Angelus, 20 de Março de 2011) Do alto da nuvem brilhante, a voz do Pai convida a ouvir o Filho. Ouvi-lo para pôr em prática o que diz: "Ouvir a Cristo, como Maria. Ouvi-lo na sua Palavra, preservada na Sagrada Escritura. Ouvi-lo nos eventos de nossas próprias vidas, tentando ler a mensagem da Providência. Ouvi-lo, finalmente, em nossos irmãos, especialmente nos pequenos e nos pobres, em que o próprio Jesus pede o nosso amor concreto. Ouvir Cristo e obedecer a sua voz: este é o caminho real, o único, que conduz à plenitude da alegria e do amor".

Nenhum comentário:

Postar um comentário